Dia de Doar 2020

O Dia de Doar é uma ação que iniciou – se nos Estados Unidos em 2012 e hoje conta oficialmente com 70 países participantes com o objetivo de organizar campanhas que incentivam a doação para causas de extrema importância e buscando internalizar a ação de doar entre a população mundial. No Brasil, o Dia de Doar ocorre desde o ano 2013 e o Bom Aluno está no seu quinto ano fazendo parte da ação com o propósito de continuar formando uma rede de transformação através da educação.

Neste ano, tão diferente, não será possível produzir o Jantar do Bem como nos anteriores mas olhamos para o nosso contexto e o fato que devemos observar é que

A EDUCAÇÃO MUDOU PÓS-COVID.

Fomos para o ensino remoto em poucos dias. Incorporamos o ensino híbrido em nossa rotina e sentimos o peso da desigualdade. Falta de equipamento e internet de qualidade se tornaram mais um desafio a ser enfrentado neste ano.

2020 FOI DIFERENTE. 
E 2021 será ainda mais, e por isso o convite para o Dia de Doar 2020 é que você

>>> Para fazer sua doação clique aqui. <<<

O Bom Aluno Curitiba acompanha diretamente alunos de baixa renda que possuem potencial e comprometimento de transformar o mundo ao seu redor, o programa incentiva os alunos academicamente através de bolsas de estudo e cursos oferecidos de diversas áreas, além do acompanhamento psicopedagógico que também acolhe as famílias dos estudantes. Além disso, o programa acompanha todos os seus alunos desde o 7º ano até o fim do ensino superior, mantendo assim uma rede de apoio para o estudante.

O ano de 2020 foi atípico, por conta disso novos desafios surgiram e o principal deles é: a permanência, com qualidade, dos alunos nas aulas remotas, seja pela falta de aparelhos tecnológicos ou pela dificuldade de acesso à internet. Mesmo com as dificuldades externas o Bom Aluno não parou, continuou com as atividades a distância e pensando em projetos que podem facilitar a adaptação dos alunos nesse período de aulas remotas.

Com o objetivo de auxiliar essas famílias afetadas o Bom Aluno lança hoje a campanha Doe Conexões que busca arrecadar doações para que seja possível ofertar pacotes de internet e/ou aparelhos e acessórios eletrônicos para os estudantes que não os possuem, proporcionando uma aprendizagem de qualidade nesses tempos difíceis.

A campanha de captação do Programa inicia hoje, 1 de Dezembro e se estenderá até junho de 2021 através da plataforma “Abrace Uma Causa” onde será possível doar a partir de R$ 25,00 de maneira única ou mensal, tornando-se doador recorrente, objetivo principal da nossa campanha.

Ao marcar uma vez, na recorrência do pagamento, o valor escolhido será debitado apenas uma vez em seu cartão de crédito. Ao escolher mensal, você se torna um doador recorrente do valor escolhido. Na opção boleto, é válida apenas a opção uma vez.

>>> Para fazer sua doação clique aqui. <<<

Fechamos a parceria com o Abrace Uma Causa recentemente para a ação de Destinação de Imposto de Renda. Agora, ampliamos a utilização, lançando esta campanha. A plataforma é rápida, prática e segura, basta realizar um cadastro simples para realizar a doação. Grandes organizações como o Instituto Ayrton Senna também utilizam a mesma plataforma de captação.

Todos os doadores irão receber um relatório com a prestação de contas do projeto ao longo da ação.

Em caso de dúvidas, não deixem de entrar em contato conosco pelas redes sociais, através do e-mail comunicacao@bomaluno.org.br ou também pelo nosso whatsapp (41) 3335-6006.

Chegamos ao Abrace Uma Causa

Estamos bem contentes em compartilhar com vocês que estamos na plataforma Abrace Uma Causa, um site que conecta doadores a instituições por meio de campanhas virtuais com o intuito de captação de recursos.

Acabamos de lançar a nossa campanha para que você destine seu imposto de renda devido ao Programa Bom Aluno Curitiba ainda este ano, tudo pela plataforma de maneira rápida, prática e segura! Ah e você pode fazer a destinação por boleto e cartão de crédito!

Todo o valor arrecadado vai ara o Fundo da Criança e do Adolescente, onde temos um projeto incentivado já aprovado e apto para receber doações. Com o repasse ao FIA, o valor vem para o Programa! Esse processo é 100% seguro e auditado pela Secretaria do Estado.

Neste link você pode ler um pouco mais sobre o Banco de Projetos.

Siga os passos acima e transforme seu imposto de renda em educação.

Você pode destinar – até dia 26 de dezembro – 6% do valor devido para ajudar na manutenção das nossas atividades.

>> CLIQUE AQUI E DESTINE SEU IR! <<

Contamos com seu apoio para compartilhar a nossa campanha (roubem à vontade as imagens acima) com a sua rede, com isso potencializamos ainda mais o nosso impacto.


Faça parte desta transformação social!

Feira de Profissões 2020

Quando colocamos em pauta em nossa reunião de equipe, a Feira de Profissões foi uma mistura entre “tem que ter com mas como?”. A verdade é que a feira do último ano foi muito especial e isso elevou a expectativa para este ano e, não tínhamos como não fazer.

Como quase tudo em 2020, a nossa Feira de Profissões também foi virtual e devemos admitir que superou todas as expectativas.

Foram 3 dias de evento, 100% online com palestra, salas de cursos e roda de conversa sobre o perfil das universidades. Neste ano, em virtude do evento virtual, podemos também contar com a participação de alunos do 2. ano do Ensino Médio das outras unidades do programa, totalizando mais de 80 inscritos! Além de toda equipe técnica da unidade de Curitiba na organização do evento, contamos com o apoio de mais de 40 voluntários.

Para abrir a noite, tivemos o painel “O que não muda no futuro no trabalho?” com a participação dos profissionais Julia Garim e Rodrigo de Alvarenga.

Julia Garim é Internacionalista pela ESPM-Sul, Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, Orientadora Profissional pelo Portal Vocacional e Especialista em Mercados Criativos e Inovação pela UNISINOS. É idealizadora e fundadora da ZONE Careers, empresa de Design de Carreira e Educação.

Rodrigo de Alvarenga é formado em Administração de Empresas pela UNIP, com especialização e mestrado em Desenvolvimento Econômico pela UFPR, MBA pela BSP Business School São Paulo, e atualmente doutorando em engenharia de produção pela PUC-PR. Fundador e diretor executivo da HAG Ventures, especializada em construção de empresas e startups a partir de seus próprios recursos e ideias.

O painel está disponível em nosso canal do youtube.

Medeia – Uma Obra Adaptada

Esta proposta iniciou no ano passado, com a turma do atual 9º ano manifestando um interesse pela mitologia grega. Então, a proposta do profº João, responsável pela disciplina de Leitura Viva, propôs para o ano de 2020 a leitura de peças gregas (Antígona, Alceste e Medeia) para posterior escolha de uma delas para a montagem de uma peça de teatro.

Após o início do ano, quando já havíamos escolhido montar a encenação de Medeia, veio a necessidade do distanciamento social e as aulas remotas e isso inviabilizou a proposta inicial. 

Foi quando veio a sugestão de migrar para o universo digital e daí surgiu a ideia de utilizar um gênero que já fez muito sucesso antes da televisão: a radionovela. 

Foi assim que surgiu a série Medeia – uma obra adaptada em seis episódios que estão sendo lançados em nosso canal do Youtube, desde o dia 30 de Setembro.

Lançamento radionovela criada pelos alunos durante a pandemia.

Para o lançamento, foi realizado um evento especial com a exibição do primeiro episódio e um bate papo com os atores e diretor, contamos com mais de 60 pessoas entre alunos, familiares e convidados.

Além deste trabalho, realizado 100% de maneira online por todos os integrantes da turma do 9º ano, o tema foi também trabalhada pelos alunos do oitavo, que estavam estudando o conteúdo referente a texto informativo e ganharam a missão de criar textos que serviriam como divulgação do trabalho da outra turma.

Seguem alguns exemplos:

Durante essa quarentena alunos do nono ano do Instituto Bom Aluno decidem fazer uma peça em formato de podcast sobre uma personagem da mitologia grega chamada Medeia.
Renata Amorim Neves

Os alunos do nono ano do Programa Bom Aluno, por gostarem de literatura grega, no começo do ano tinham planejado uma encenação da história de Medeia. Mas com a pandemia tiveram que mudar seus planos. Por isso, nas aulas remotas, resolveram adaptar a peça para um formato parecido com a radionovela, no qual serão postados episódios semanalmente, a partir das próximas semanas.
Méllany Brito

No ano passado o nono ano do Bom Aluno tinha decidido fazer uma peça de teatro, mas, com a chegada da pandemia e o decreto de quarentena, eles não puderam encená-la. Por isso acharam outro jeito de fazê-lo.
Eles irão gravar a narração da história e enquanto isso vão passando algumas fotos dos personagens.
A peça que escolheram foi Medeia, uma princesa e feiticeira que traiu seu reino por um amor e foi traída por ele. E agora deseja se vingar.
Mariane Vitoria Araujo de Siqueira.

O nono ano do Bom Aluno vem fazendo uma adaptação da peça teatral grega muito conhecida Medeia na aula de Literatura Viva (LV), os ensaios são feitos às terças-feiras por reuniões online com o professor João Batista.
Eduardo Honorato

A atividade além de agregar turmas diferentes, possibilitou a criação de uma material muito rico e diferenciado. A criatividade e iniciativa do professor, engajou a turma e o resultado você acompanha em nosso canal.

#omundoprecisadepausa

Se na sala de aula, os colegas podem ser motivos para distração, em casa, nada é muito favorável. Irmãos que também precisam do computador, família inteira em casa, TV ligada, cachorro que late, gato que pula no caderno, cama do ladinho da gente …. tudo tem um potencial gigante para distração!

Além disso, antes o que era usado na maioria do tempo como diversão, agora é rotina: a gente precisa estar conectado a maior parte do tempo.


Para estimular a concentração por meio do equilíbrio corporal, os alunos do sétimo ano estão aprendendo a incluir PAUSAS na sua rotina com movimentos da Yoga. Apesar de receberem as instruções via tela, a ideia é que eles tenham ferramentas para praticar em momentos que estiverem desconectados e assim desenvolver equilíbrio, alinhamento, flexibilidade e executar alongamentos. 

Nas imagens temos a turminha em atividade! 

Em uma das aulas, a música “Pausa” da cantora Vicka foi tema e reforçou a ideia de aproveitarmos os momentos DESCONECTADOS, momentos bem mais raros em tempos de isolamento social e ensino remoto. 

“Quando escuto essa música eu me sinto mais calma e tranquila. Na minha mente vem pensamentos sobre a música eu imagino o que a música diz, acontecendo”, comentou Julia Schacht. Além disso, palavras como esperança, relaxado, concentrado foram algumas sensações que os alunos relataram sentir após a atividade.

O Bom Aluno Curitiba segue com as atividades 100% remotas com os alunos, estamos mantendo o calendário porém, adequando as necessidades do nosso momento atual e dando todo o suporte necessário para os atendidos e seus familiares.

O amor contagia

A campanha nasce da preocupação com o atendimento da população mais vulnerável do Estado do Paraná no contexto da pandemia do corona vírus. Diversas empresas e entidades paranaenses do Paraná estabeleceram uma coalisão para propiciar um canal confiável, a fim de captar e destinar recursos para ajudar os hospitais, que estão atendendo a população no enfrentamento da COVID-19 e estão tendo dificuldades para comprar testes e equipamentos de proteção para as equipes de saúde, assim como para apoiar as organizações da sociedade civil, como casas lares e asilos, que têm sofrido um forte impacto com a baixa arrecadação de doações, inviabilizando parcialmente ou integralmente o atendimento prestado.

Para ser beneficiado pela ação, era necessário atender a critérios descritos no edital da campanha e, acabamos de ser informados que fomos contemplados com um recurso financeiro que será destinado a compra de alimentos e itens de limpeza e higiene.

É com grande alegria que recebemos essa notícia, esse apoio que vem somar as demais ações emergentes que temos tomado nos últimos meses com o intuito de atender aos nossos alunos e suas famílias.

Ainda é possível contribuir com a campanha, para mais informações acesse o site: https://oamorcontagia.site/.

Relatório de Atividades 2019

Em 2019 foram 20 formaturas no Ensino Superior e 27 novos bons alunos que entraram para complementar o número de  200 alunos atendidos ao ano pelo Programa Bom Aluno Curitiba.

Queremos compartilhar com você, que faz parte dos nossos 27 anos de história, as principais ações desenvolvidas ao longo do último ano.

COVID 19 E AS DEMANDAS EMERGENTES

Assim como na maioria das cidades brasileiras, Curitiba iniciou seu processo de isolamento social na segunda quinzena de março. Desde então, intensificamos os atendimentos individuais com os alunos e temos feito levantamento de necessidades das famílias. Entender o cenário, é importante para que ninguém fique desassistido, estamos mobilizando as redes necessárias para atender a todas as demandas que surgem diante de uma pandemia.

Como a renda de diversas famílias foram afetadas em virtude de cortes e/ou suspensões de salários, percebeu-se que a busca por cestas básicas seria uma das principais ações a serem viabilizadas.

Algumas das cestas recebidas pelo Programa Impulso.

Algumas das cestas recebidas pelo Supermercado Festval.

Para isso contamos com o apoio importante do Programa Impulso, do Instituto GRPCom e a ação Pedreira do Bem, onde recebemos 10 cestas básicas e do Supermercado Festval que contribuíam com 20 cestas básicas que já foram retiradas pelos alunos.

Fica aqui o nosso agradecimento ao Impulso e Festval pelas doações que com certeza fizeram diferença neste momento.


ATUALIZAÇÕES

Essa Corrente do Bem ganhou forças e temos recebido mais apoio. Além das empresas citadas acima, recebemos doações de cestas básicas do grupo Juntos Somos mais Arquitetura, das famílias Dittert de Lara e Frigotto, dos amigos Marisa e Paulo Dal Posso, dos alunos formados Noemi Vergopolan, Higor Lambach e, Cleverson Douhey que realizou uma campanha entre seus amigos, arrecadando dezenas de cestas básicas.

Obrigado, obrigado, obrigado!

COVID 19 E AS DEMANDAS EMERGENTES

O projeto Marketing do Bem nasceu de uma demanda interna da instituição. Com o isolamento social em virtude do COVID-19 foi percebido que algumas famílias atendidas pelo programa, estavam com dificuldades financeiras e, como inúmeros pais e familiares são autônomos e/ou pequenos empreendedores, nasce o projeto com o intuito de seguirmos atendendo aos nossos alunos, mas, nas demandas emergentes. Garantindo assim o bem-estar dos mesmos de maneira indireta.

Apresentação do projeto aos familiares.

O objetivo do projeto, encabeçado pela nossa Analista de ComunicaçãoEid Neiva da Silva – é ajudar pequenos empreendedores que estão sofrendo com a crise e precisam se reinventar no cenário atual. Entender as necessidades e, de maneira gratuita, criar novas possibilidades de negócios ou desenvolver materiais de divulgação dos produtos e serviços ofertados.

Nesta etapa, foram atendidos seis negócios, sendo cinco pais e, a irmã de uma das nossas psicólogas. Tendo sido criado algumas logomarcas e um material para divulgação do produto ou serviço, em especial.

Abaixo, alguns materiais que foram desenvolvidos:

Portfólio do projeto
Portfólio do projeto
Portfólio do projeto
Portfólio do projeto
Portfólio do projeto

Uma das ações do projeto, se transformou em um curso, o Instagram em 7 passos, idealizada em parceria com o Syna Design Studio, para ensinar – NA PRÁTICA – como colocar uma marca ou serviço em uma das ferramentas mais utilizadas no mundo e alavancar os negócios. Desta etapa participaram, quatros pessoas.

O resultado extremamente positivo, fica registrado com os depoimentos abaixo:

É importante, neste momento, intensificarmos o acompanhamento dos familiares para mobilizarmos a nossa rede de apoio para suprir outras necessidades que surjam e, com isso garantir que nossos atendidos estejam bem para passar por essa fase da melhor maneira possível.

DICA DE LEITURA I SAÚDE MENTAL

O canal de notícias G1 fez uma reportagem importantíssima sobre como o cuidado com a saúde mental e as experiências que crianças e jovens estão vivenciando durante o isolamento social são mais importantes que o “dar conta” de conteúdo pelo conteúdo. O texto apresenta pontos importantes e, gostaríamos de compartilhar por aqui também!

 

Saúde mental de alunos e experiências em meio à pandemia importam mais que recuperar conteúdos, dizem especialistas


Segundo educadora e psicóloga ouvidas pelo G1, crianças e adolescentes podem aprender com a pandemia. No retorno às aulas, é necessário entender que eles vão levar “marcas” de tudo o que aconteceu.


Especialistas ouvidos pelo G1 alertam: mais importante do que recuperar o conteúdo perdido, é se preocupar com a saúde mental das crianças e dos adolescentes e o que a pandemia pode ensiná-los.

A professora do Centro de Letras e Comunicação da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Tatiana Lebedeff usou as redes sociais para discutir sobre o tema. No texto, ela pede que, depois que forem retomadas às aulas, as escolas reflitam com as crianças o que significou essa experiência para elas e para as famílias.

A educadora mostra a importância dos pequenos se libertarem durante o tempo em que ficarem isolados.

“Ninguém estava preparado para a educação domiciliar: nem escolas, nem crianças, nem famílias. Eu desejo que o retorno depois não seja sofrido, nem para as crianças, nem para os professores. Vejo os pais muito preocupados com nota, a avaliação, estão vivendo um momento de sofrimento. Vejo discussões de como vão repor as aulas, mas não uma discussão de como isso vai ser feito, a perspectiva de acolher essas crianças na escola, como será a nova rotina. Essas crianças viveram por muito tempo em uma rotina diferente, elas não vão voltar no mesmo ritmo“, afirma a educadora.

Formada em Educação Especial, Tatiana tem mestrado em Educação e doutorado em Psicologia do Desenvolvimento. Para ela, discutir como serão retomados os conteúdos é importante, mas proporcionar um retorno tranquilo às aulas é ainda mais necessário, já que as crianças vão levar “marcas” de tudo o que aconteceu.

“Eu estava muito angustiada, as pessoas falando nas redes sociais sobre turno inverso, reposição de conteúdo. A escola não precisa pensar em reposição na primeira semana, no primeiro mês. Os alunos têm que viver vida de criança, correr”.

“Me assustou que as pessoas estavam discutindo conteúdo, e não crianças como crianças”, disse

A professora acrescenta a importância de se aprender questões mais amplas, como desigualdade social e solidariedade.

“Escolas particulares estão tendo aula remota, estão com atividades, mas tem crianças que estão em vulnerabilidade social, não têm computador, nem internet em casa. Não tem apoio familiar para estar fazendo alguma coisa. Muitas crianças dependem da merenda escola, por exemplo”.

Fortalecimento de vínculos

Segundo a psicóloga, para a criança enfrentar esse momento, ela precisa se sentir segura sobre sua ligação com os pais ou com os adultos cuidadores. Vínculo seguro, afeto e comunicação clara desenvolvem a chamada segurança básica.

“É importante poder falar de forma clara para as crianças o que está acontecendo. Não é porque uma criança é pequena que a gente vai supor que ela não está entendendo. As crianças são mais capazes do que a gente imagina de perceber as coisas que acontecem em sua volta. Elas podem não ter a clara noção didática do que é o vírus, a pandemia e a contaminação. Mas elas têm uma percepção afetiva emocional muito clara”.

Conversando com as crianças é possível trazer à tona outros temas importantes.

“No momento que tu explica, que tem que ficar em casa porque tem um vírus, uma doença, e outras pessoas podem pegar se a gente sair, aí tu também começa a introduzir um outro conceito que é a empatia. Tu precisa estar em casa para cuidar não só de ti, mas também dos outros”.

Outro ponto importante é que os pais abordem com as crianças temas como luto e morte.

“Porque também é uma forma de luto a gente perder a autonomia como a gente vem perdendo, perder a possibilidade de contato, de abraço. Crianças perdem o contato com os amigos, perdem o contato com familiares, com os avós, então, também tem que aprender a fazer esse luto. Mas da morte real também. Acho que é uma oportunidade de poder falar sobre isso. No geral, algumas famílias, alguns adultos, têm receio de abordar o tema da morte com as crianças. Mas é um tema que é necessário”.

Por fim, Mara diz que é normal os pais se sentirem sobrecarregados, por isso, é preciso que as pessoas não se cobrem tanto em meio ao isolamento social e à pandemia.

Para ler a reportagem completa, clique aqui