COVID 19 E AS DEMANDAS EMERGENTES

Assim como na maioria das cidades brasileiras, Curitiba iniciou seu processo de isolamento social na segunda quinzena de março. Desde então, intensificamos os atendimentos individuais com os alunos e temos feito levantamento de necessidades das famílias. Entender o cenário, é importante para que ninguém fique desassistido, estamos mobilizando as redes necessárias para atender a todas as demandas que surgem diante de uma pandemia.

Como a renda de diversas famílias foram afetadas em virtude de cortes e/ou suspensões de salários, percebeu-se que a busca por cestas básicas seria uma das principais ações a serem viabilizadas.

Algumas das cestas recebidas pelo Programa Impulso.

Algumas das cestas recebidas pelo Supermercado Festval.

Para isso contamos com o apoio importante do Programa Impulso, do Instituto GRPCom e a ação Pedreira do Bem, onde recebemos 10 cestas básicas e do Supermercado Festval que contribuíam com 20 cestas básicas que já foram retiradas pelos alunos.

Fica aqui o nosso agradecimento ao Impulso e Festval pelas doações que com certeza fizeram diferença neste momento.

COVID 19 E AS DEMANDAS EMERGENTES

O projeto Marketing do Bem nasceu de uma demanda interna da instituição. Com o isolamento social em virtude do COVID-19 foi percebido que algumas famílias atendidas pelo programa, estavam com dificuldades financeiras e, como inúmeros pais e familiares são autônomos e/ou pequenos empreendedores, nasce o projeto com o intuito de seguirmos atendendo aos nossos alunos, mas, nas demandas emergentes. Garantindo assim o bem-estar dos mesmos de maneira indireta.

Apresentação do projeto aos familiares.

O objetivo do projeto, encabeçado pela nossa Analista de ComunicaçãoEid Neiva da Silva – é ajudar pequenos empreendedores que estão sofrendo com a crise e precisam se reinventar no cenário atual. Entender as necessidades e, de maneira gratuita, criar novas possibilidades de negócios ou desenvolver materiais de divulgação dos produtos e serviços ofertados.

Nesta etapa, foram atendidos seis negócios, sendo cinco pais e, a irmã de uma das nossas psicólogas. Tendo sido criado algumas logomarcas e um material para divulgação do produto ou serviço, em especial.

Abaixo, alguns materiais que foram desenvolvidos:

Portfólio do projeto
Portfólio do projeto
Portfólio do projeto
Portfólio do projeto
Portfólio do projeto

Uma das ações do projeto, se transformou em um curso, o Instagram em 7 passos, idealizada em parceria com o Syna Design Studio, para ensinar – NA PRÁTICA – como colocar uma marca ou serviço em uma das ferramentas mais utilizadas no mundo e alavancar os negócios. Desta etapa participaram, quatros pessoas.

O resultado extremamente positivo, fica registrado com os depoimentos abaixo:

É importante, neste momento, intensificarmos o acompanhamento dos familiares para mobilizarmos a nossa rede de apoio para suprir outras necessidades que surjam e, com isso garantir que nossos atendidos estejam bem para passar por essa fase da melhor maneira possível.

DICA DE LEITURA I SAÚDE MENTAL

O canal de notícias G1 fez uma reportagem importantíssima sobre como o cuidado com a saúde mental e as experiências que crianças e jovens estão vivenciando durante o isolamento social são mais importantes que o “dar conta” de conteúdo pelo conteúdo. O texto apresenta pontos importantes e, gostaríamos de compartilhar por aqui também!

 

Saúde mental de alunos e experiências em meio à pandemia importam mais que recuperar conteúdos, dizem especialistas


Segundo educadora e psicóloga ouvidas pelo G1, crianças e adolescentes podem aprender com a pandemia. No retorno às aulas, é necessário entender que eles vão levar “marcas” de tudo o que aconteceu.


Especialistas ouvidos pelo G1 alertam: mais importante do que recuperar o conteúdo perdido, é se preocupar com a saúde mental das crianças e dos adolescentes e o que a pandemia pode ensiná-los.

A professora do Centro de Letras e Comunicação da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Tatiana Lebedeff usou as redes sociais para discutir sobre o tema. No texto, ela pede que, depois que forem retomadas às aulas, as escolas reflitam com as crianças o que significou essa experiência para elas e para as famílias.

A educadora mostra a importância dos pequenos se libertarem durante o tempo em que ficarem isolados.

“Ninguém estava preparado para a educação domiciliar: nem escolas, nem crianças, nem famílias. Eu desejo que o retorno depois não seja sofrido, nem para as crianças, nem para os professores. Vejo os pais muito preocupados com nota, a avaliação, estão vivendo um momento de sofrimento. Vejo discussões de como vão repor as aulas, mas não uma discussão de como isso vai ser feito, a perspectiva de acolher essas crianças na escola, como será a nova rotina. Essas crianças viveram por muito tempo em uma rotina diferente, elas não vão voltar no mesmo ritmo“, afirma a educadora.

Formada em Educação Especial, Tatiana tem mestrado em Educação e doutorado em Psicologia do Desenvolvimento. Para ela, discutir como serão retomados os conteúdos é importante, mas proporcionar um retorno tranquilo às aulas é ainda mais necessário, já que as crianças vão levar “marcas” de tudo o que aconteceu.

“Eu estava muito angustiada, as pessoas falando nas redes sociais sobre turno inverso, reposição de conteúdo. A escola não precisa pensar em reposição na primeira semana, no primeiro mês. Os alunos têm que viver vida de criança, correr”.

“Me assustou que as pessoas estavam discutindo conteúdo, e não crianças como crianças”, disse

A professora acrescenta a importância de se aprender questões mais amplas, como desigualdade social e solidariedade.

“Escolas particulares estão tendo aula remota, estão com atividades, mas tem crianças que estão em vulnerabilidade social, não têm computador, nem internet em casa. Não tem apoio familiar para estar fazendo alguma coisa. Muitas crianças dependem da merenda escola, por exemplo”.

Fortalecimento de vínculos

Segundo a psicóloga, para a criança enfrentar esse momento, ela precisa se sentir segura sobre sua ligação com os pais ou com os adultos cuidadores. Vínculo seguro, afeto e comunicação clara desenvolvem a chamada segurança básica.

“É importante poder falar de forma clara para as crianças o que está acontecendo. Não é porque uma criança é pequena que a gente vai supor que ela não está entendendo. As crianças são mais capazes do que a gente imagina de perceber as coisas que acontecem em sua volta. Elas podem não ter a clara noção didática do que é o vírus, a pandemia e a contaminação. Mas elas têm uma percepção afetiva emocional muito clara”.

Conversando com as crianças é possível trazer à tona outros temas importantes.

“No momento que tu explica, que tem que ficar em casa porque tem um vírus, uma doença, e outras pessoas podem pegar se a gente sair, aí tu também começa a introduzir um outro conceito que é a empatia. Tu precisa estar em casa para cuidar não só de ti, mas também dos outros”.

Outro ponto importante é que os pais abordem com as crianças temas como luto e morte.

“Porque também é uma forma de luto a gente perder a autonomia como a gente vem perdendo, perder a possibilidade de contato, de abraço. Crianças perdem o contato com os amigos, perdem o contato com familiares, com os avós, então, também tem que aprender a fazer esse luto. Mas da morte real também. Acho que é uma oportunidade de poder falar sobre isso. No geral, algumas famílias, alguns adultos, têm receio de abordar o tema da morte com as crianças. Mas é um tema que é necessário”.

Por fim, Mara diz que é normal os pais se sentirem sobrecarregados, por isso, é preciso que as pessoas não se cobrem tanto em meio ao isolamento social e à pandemia.

Para ler a reportagem completa, clique aqui

PARCERIAS I Junior Achievement e Bom Aluno

Se parcerias já são importantes potencializadores para o trabalho no Terceiro Setor, em pleno isolamento social isso ganha ainda mais força.

Nossos alunos do 2º ano do Ensino Médio são acompanhados e orientados profissionalmente, para que ao final de sua trajetória acadêmica básica, possam fazer uma escolha mais segura e assertiva no que diz respeito à escolha de curso universitário e seu caminho profissional.

A fim de ampliar o repertório comportamental, visão crítica e conhecimento técnico acerca do mercado de trabalho, nos unimos à Junior Achievement, que assim como nós, visam o desenvolvimento de jovens, preparando-os para os desafios e carreiras da economia globalizada.

FuturoDoTrabalho

Pensando nas mais constantes transformações na tecnologia e no modo como nos relacionamos com o mundo, temos por objetivo com o projeto Futuro do Trabalho, pensarmos em quais adaptações serão necessárias para a inserção destes jovens em um mercado de trabalho totalmente volúvel e flexível, para isso, abordaremos sobre as mudanças de visão acerca da economia, quais habilidades serão consideradas diferenciais no futuro do trabalho, como priorizar sonhos e desejos pessoais no momento da escolha profissional, entre outros pontos.

E para enriquecer ainda mais este projeto, tivemos a possibilidade de ampliar o número de participantes estendendo o convite e acesso às nossas unidades espalhadas pelo Brasil, com isso, cerca de 40 adolescentes estão sendo beneficiados nos estados do Paraná, Belo Horizonte e Espírito Santo.

O curso acontece entre os dias 16 e 23 de Junho e ações em conjunto com as demais unidades é um sonho antigo de toda equipe. Com o ensino remoto está sendo possível concretizá-lo!